Arte&Cultura

OS REGISTROS ORIGINAIS DO BOI FALÔ – 1 (Jolumá Brito, 1973)

Para contrapor a versão do Boi Falô que a Prefeitura de Campinas oficializou como única,  iremos , a partir de hoje, publicar os mais antigos registros da versão tradicional de Barão Geraldo anteriores à unica  versão  imposta pela Prefeitura (a partir da Secretaria de Cultura) APÓS a colocação da festa, criada em 1988, no calendário oficial de Campinas (1996). Até o momento, na pesquisa dos historiadores, a primeira vez que a mídia de Campinas (antigo jornal Diário do Povo) publicou sobre o Boi Falô foi em 1973. É claro que antes disso a lenda era conhecida por populares porem antes haviam pelo menos 3 versões: a do Cemitério/Vila Industrial (cujo principal personagem era o Toninho), a de antigos empregados ou rendeiros da Fazenda Santa Genebra (que fala de um carro para atrelar os bois, mas não em ano nenhum) e de Barão Geraldo (que não tinha Toninho nem ano, mas falava do Capão do Boi). Veja a primeira do historiador e jornalista negro (ou mestiço) campineiro Jolumá Brito, pesquisador premiado com mais de 20 livros de pesquisa sobre Historia de Campinas e vários municípios da região, fundador da Associação Campinense de Letras.

O texto é do  historiador e antropólogo  Warney Smith Silva que pesquisa a  história de  Barão Geraldo . Antes ele aborda o que  as universidades e os pesquisadores sociais falam das lendas

O QUE É UMA LENDA E O SIGNIFICADO DA SEXTA FEIRA SANTA

Em termos oficiais de intelectuais TODA LENDA,MITO OU CAUSO  TEM INÚMERAS VERSÕES. O natural é que cada pessoa que conte , aumente um ponto  E é  aí que esta a beleza das tradições. Porém toda  lenda, mito ou causo tem  uma narrativa central comum mínima, sem os detalhamentos de cada um.

 A lenda do Boi Falô é uma dessas.  E que não existe somente em Barão Geraldo (como muitos antigamente pensavam) Mas também é uma das principais lendas de Capivari, e já foi registrada   outras cidades de São Paulo e Goiás, nos Estados Unidos E como sabemos há diversas lendas de bois que falam entre etnias africanas e na Índia.

Sua narrativa  não diz respeito ou tem a ver com a escravidão, mas com a manifestação de Deus no dia da morte de Jesus a sexta feira de Páscoa.  Conforme contam os historiadores e todos os registros mais antigos de Campinas, a Páscoa  sempre foi, entre todas, a tradição cultural  mais importante e mais mobilizadora da História da cidade.  Que sempre foi fortemente respeitada e vivida intensamente ano a ano. A que tem maior quantidade de registros, produções , textos , documentos eventos etc. Mais que o Natal. No século 19 , durante a Páscoa todos andavam de preto, as mulheres se cobriam todas e não saiam de casa, exceto para ir à missa.

A tradição da Sexta Santa e da Páscoa foi criada pela Igreja Católica em um de seus primeiros concílios e imposta em toda a Europa, durante toda a Idade Média e também por toda a Era Moderna até hoje é o que justifica a Sexta Feira Santa como Dia de Luto Oficial e que – durante  toda a Colonização – tornou-se uma das principais tradições do pais e o que justifica ser feriado.

Sabemos que o  mito  ou lenda do Boi Falô (de Barão) já existia desde o início do Século 20 porque vários antigos moradores de Barão, vivos em 1920, relataram ter ouvido o “causo”. Porém isso se deu somente após o primeiro registro da lenda em Campinas, que foi do primeiro historiador “negro” (mulato ou mestiço) da cidade, Jolumá Britto,  no Diário do Povo de 30 de junho de 1973. Além de ter sido  o maior cronista, pesquisador e  divulgador da  História de  Campinas, Jolumá Brito fundou a Academia Campinense de  Letras , da qual foi presidente e escreveu mais de 20 livros  sobre Historia de Campinas e  outras cidades da  região.

Jolumá foi  um dos autores que mais pesquisou e escreveu sobre historia de Campinas e sobre a Semana Santa. Na época em que ele escreveu no texto abaixo, a Prefeitura de Campinas ainda realizava  anualmente uma Semana do Folclore coordenada pela professora Alba Vidigal no mês de agosto E EM NENHUMA DELAS abordou o “causo” do Boi Falô não sabemos porque  (As semanas de folclore ainda duraram até pelo menos os anos 1980). Presumimos que seja uma desvalorização mesmo, por preconceito, com o que nasce localmente – como ocorre no Brasil, só é valorizado décadas depois. Mas  também percebemos que a versão tornada oficial pela Prefeitura de Campinas não era conhecida em Barão. Provavelmente  em Campinas e originada em torno do culto ao  túmulo do ex escravo e capataz da Fazenda,  Toninho. Que  historicamente já era capataz quando Geraldo assumiu a fazenda em 1870 e se tornou “milagreiro” após seu túmulo ser trazido para ao lado do túmulo do Barão, após a morte dele. Em Campinas havia uma outra lenda sobre Toninho que nada tem a ver com o Boi Falô. (a de que ele levou um  tiro na perna e teve  que ser amputada  por causa da gangrena, quando  já era livre e cocheiro  do Barão poucos anos após sua morte. (ele nunca foi escravo doméstico).  Mas nesse  texto, Jolumá também comete alguns erros  quando diz que o causo ocorreu na Fazenda Rio das  Pedras ou ao dizer que o “solar” da Santa Genebra, mandado construir pelo futuro Barão em 1870, foi um “solar do conselheiro Albino”  (que mandou  construir a  primeira sede da  Fazenda Rio das Pedras em  1856, conforme ele mesmo cita em seu livro de memórias. E que nada teve a ver com o sobrado da Santa  Genebra do Barão Geraldo, cujos moradores  querem o Tombamento e preservação para futura visitação comercial.

Importante ressaltar  também que  Barão Geraldo tem mais de 20 causos ou lendas contadas pelos antigos. Praticamente todas adaptações de mitos ou lendas de outras partes do Brasil e do mundo. Como  a do “corpo seco”, a do “boitatá” (que tem uma adaptação local) a das das santas que andam e várias outras.

Então aqui está a primeira delas registrada em 1973.  É BASTANTE POSSÍVEL QUE HAJA OUTROS REGISTROS ANTERIORES NOS ARQUIVOS  DO DIÁRIO DO POVO, CORREIO POPULAR , PREFEITURA, JORNAL “A DEFESA” E OUTROS. Porém é preciso um bom financiamento e vontade politica para encontra-los:

“Dizem os moradores dali (Barão Geraldo)  que no século passado, trabalhava lá na Santa Genebra um caboclo muito mandrião, bom trabalhador, mas respeitador, acima de tudo, dos feriados e dias santificados. É que, por tradição, também ali, o campineiro sempre mante­ve a de grande amor e devoção aos santos e às suas’ igrejas, respeitador sagrado das leis divinas! De ma­neira que, nas Semanas Santas, principalmente, na cidade campineira, depois do meio dia da sexta-feira chamada Maior, ninguém trabalhava: os carros de praça recolhiam-se, bondes não trafegavam, carroças ficavam paralisadas em seus abrigos e o silêncio em toda cidade seria, até, aterrador! Todo mundo corria para a igreja, para rezar ao Senhor morto! No inte­rior desciam panos roxos também cobriam alta­res e imagens de’ santos, num respeito profundo de amor a Jesus!

Numa certa sexta-feira, a chamada “Maior” es­se caboclo cujo nome a história não guardou, fora mandado pelo proprietário da fazenda, até junto a um pé de cabreúva onde estava parada uma manada de bois, para recolhê-la ao curral. Tanto assim é que o local ficou conhecido como Capão do Boi. E lá se foi o empregado, contrariadíssimo, para cumprir a ordem recebida. Daí a poucos momentos, no entan­to, voltava ele esbaforido, correndo, suando em bi­cas e gritando para os companheiros: — “Volte, gen­tes! Eu tava tratando de tocar a boiada quando ouvi uma voz grossa, vinda de não sei donde, dizendo as­sim: — “Hoje é sexta fêra santa, num é dia de trabaiá… Num é dia de trabaiá… É sexta fêra santa!”

E, ingênuos como soía ser naqueles tempos toda aquela gente, onde se misturavam ao negro os italia­nos principalmente, todo mundo quis ouvir a história repetida pelo próprio que ainda estava com cara de assustado.

– “Verdade sim moçada: o boi falô memo, falô que em sexta fêra santa  num é dia de trabaiá…”

Claro que ele ficou na boa vida o resto do dia e da tarde sonolenta que se derramava ali pelas redon­dezas da antiga fazenda de Nossa Senhora do Rio das Pedras.

Pouco depois o comentário tomava corpo e a his­tória foi se repetindo de sítio em sítio, de casa em casa, de senzala em senzala, impondo mais respeito àquela gente toda que não se cansava de benzer e rezar pelo Senhor!

Até hoje, quem passa por Barão Geraldo e que conhece a história, lenda ou seja o que for, o faz mugindo feito boi somente para arreliar com os mo­radores dali: “Múúúúúúúúúú!

Jolumá Brito

joluma Brito 1

Jolumá Brito  foi  o mais famoso e o primeiro  historiador  “negro” ou  mestiço de  Campinas 

 

 

Joluma-300673

Warney Smith Silva

Jolumá Brito na fundação da ACL

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s