Arte&Cultura

OS REGISTROS ORIGINAIS DO BOI FALÔ -3 (Hélio Leonardi, 1983)

O terceiro registro é uma entrevista do principal e mais antigo líder político de Barão Geraldo, o juiz de paz Hélio Leonardi falecido em 1985. Segundo dizia sua esposa  d. Maria Páttaro , seu Hélio tinha umas caixas de documentos e fotos históricas de Barão Geraldo. A maioria foi sendo doada por ele mesmo

Em 1983, em entrevista ao repórter Ronaldo Faria ao Diário do Povo , junto com seu irmão  Orpheu, foi publicada no dia 2 de fevereiro, Hélio Leonardi contou boa parte da História de Barão Geraldo, vários causos e também, de forma simples, o mito do Boi. vejam

Segundo seu Hélio conta, o distrito ficou conhe­cido durante muito tempo como a “a terra que o boi falou”.  A lenda, segundo Seu Hélio, vem do tempo ainda da escravatu­ra.

“Existia um Capão (local onde o gado descansava) no lugar que hoje é a entrada para a Unicamp. Foi quando, numa sexta- feira santa, o administrador da Fazenda Santa Genebra mandou um escravo ir apanhar um boi pra fazer um trabalho”.

“E lá foi o escravo. Chegando no Ca­pão ele viu um boi deitado e tentou pegá- lo pra levar conforme as ordens do admi­nistrador. Foi a conta: o boi virou pro es­cravo e falou que não trabalhava. “Hoje não é dia de se trabalhar. Hoje é sexta- feira Maior”. O homem saiu numa carrei­ra danada. Chegando na fazenda o admi­nistrador perguntou pelo boi, e o escravo só soube responder: o boi falô!”

img509

Foto: reprodução da Folha de Barão

 

Helio-DIario-02021983

Veja abaixo o famoso “Capão do Boi” onde o boi teria falado. Conforme Cecília Camargo, o capão era aquela área verde – parte não desmatada ao fundo da foto do sr Mussi Mussi, funcionário da Shell em S. Paulo, filho do proprietário  Salomão Mussi e genro de Guido Camargo Penteado Sobrinho. Foto de 1952 quando da inauguração do atual posto Shell do Terminal – arquivo Mª Cecília Camargo Penteado

BAG_00_00010-6

DSC00702

O famoso “Capão do Boi” onde o boi teria falado era aquela área verde – parte não desmatada ao fundo da foto do sr Mussi Mussi, funcionário da Shell em S. Paulo, filho do proprietário  Salomão Mussi e genro de Guido Camargo Penteado Sobrinho. Foto de 1952 quando da inauguração do atual posto Shell do Terminal – arquivo Mª Cecília Camargo Penteado

BAG_00_00009

Hélio Leonardi (no meio) com sua filha – em frente à casa de seu irmão Orpheu (à esquerda) – onde hoje é o cruzamento da rua Benedito Alves Aranha com Av Santa Isabel – provavelmente dos anos 1940 – arquivo da família Leonardi

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s