Ciência e Tecnologia

Reitoráveis dizem estar abertos a acolher demandas de Barão Geraldo

Desde setembro passado alguns apoiadores dos candidatos a reitor que disputam a “consulta” esse mes de Março, invadiram os grupos do Facebook de Barão e também do jornal com muitas e insistentes propagandas muito bonitas e bem feitas lembrando  uma disputa eleitoral para cargos de Prefeito, vereador  etc   E a crescente campanha chamou ainda mais a atenção depois de  oficializadas as 3 candidaturas no final de janeiro e iniciados os debates  por  faculdade. 

Três chapas  de candidatos à Reitor e vice  foram   oficializadas . A  primeira do  professor Antonio José de Almeida Meirelles, conhecido como “Tom Zé”,  da FEA (Faculdade de Engenharia de Alimentos)   junto  com a médica professora Luiza Moretti da FCM (Faculdade de Ciências Médicas); a segunda  chapa do professor Sérgio Salles-Filho, do IG (Instituto de Geociências) junto com a atual Pró Reitora de Graduação a médica Eliana Amaral, e a terceira  chapa do médico e professor Mário Jose Abdalla Saad, da FCM (Faculdade de Ciências Médicas) junto com o professor  Marco Aurélio Zezzi Arruda do IQ (Instituto de Química). 

Mediante à forte disputa,  o Jornal fez uma pesquisa com  integrantes  de seus grupos e páginas sobre o que esperam  que a Unicamp possa oferecer a Barão especificamente  ALÈM  do que já vem oferecendo (veja  abaixo tudo o que a Unicamp oferece) e os interesses  de Barão em relação aos recursos públicos  que sustentam a riquíssima  e enorme universidade  (que além de Barão tem cursos , laboratórios e pesquisas em diversas  cidades como Campinas, Paulínia,. Limeira, Piracicaba, Hospital em Sumaré,  e até escritórios no Amazonas).  Mas pouco  esperávamos das respostas  devido ao fato  dos fortes  compromissos da Reitoria Unicamp tanto com a comunidade interna,  mas sobretudo com a política universitária paulista, e científica nacional e estadual e até internacional.      

Os candidatos  a  Reitor e Vice  (ou coordenador geral) da  Unicamp disseram em termos gerais que estão  abertos às reivindicações de Barão Geraldo, porém  defendem uma retomada ou “fortalecimento” do que já é oferecido ha anos. E em resposta à pesquisa e solicitações do  Jornal de Barão, em linhas gerais, muito pouco oferecem a Barão além do que a Unicamp  já oferece normalmente a qualquer um que tenha condições de acompanhar suas ações.  

É claro  que sabemos e não duvidamos do impacto da  Unicamp  em termos de dinheiro que é gasto nos comercio  regional e nacional (R$ 6.375,8 milhões em termos do PIB gerando 77.702 empregos, o que equivale a 9,9% de todo o PIB de Campinas em 2019 – bastante próximo do que é produzido em Barão Geraldo  mesmo ALÈM da Unicamp  que é cerca de 10% do PIB de Campinas E QUE NÃO TEMOS RETORNO)  

Por isso, como   a prioridade e o papel do  Jornal é Barão Geraldo  (como   local que abriga a Unicamp SEM os míticos “privilégios”  que  usam para nos negar todos as necessidades) então, questionamos os 5 principais interesses  ou necessidades citados pelos baronenses em nossa enquete:   

1)   Mais  cursos  (livres)  para  a sociedade   (pagos e gratuitos) 

2)  Mais lazer nos finais de  semana (o que inclui bibliotecas, museus, Casa do Lago,  centros de  divulgação  como o Centro de Memoria, realização FORA do Campus, etc)  

3) Apoio  à preservação de  patrimônios  históricos e  ambientais  

4)  criação de uma  UPA 24h (Unidade de  Pronto Atendimento) – com a Prefeitura e  Estado  é claro) 

 5) Criação de um  Hospital ou Clinica veterinária 

6)  Biblioteca Central 24h  e finais de semana  

Há também outras  propostas  mas bem pouco votadas  

Além disso também questionamos   sobre a situação da Moradia Estudantil e um prognóstico   sobre se haverá retorno às aulas  presenciais ate  2022 ou não  

IMPORTANTE RESSALTAR QUE NÃO PUDEMOS COLOCAR TUDO O QUE DISSERAM E ENTÃO ESCOLHEMOS AS  PARTES  MAIS OBJETIVAS POSSÍVEL  

Os professores candidatos Tom Zé (FEA) e Luiza Moretti (FCM) a reitor e vice

O professor Tom Zé diz que que um dos princípios da candidatura dele e da professora Luiza Moretti, candidata a vice, é ser “Uma universidade que abraça e se deixa abraçar pela sociedade”. E que por isso estão abertos a acolher a comunidade de Barão Geraldo na Unicamp, “ao mesmo tempo em que queremos ser acolhidos por essa comunidade.” 

O  professor  Sérgio Salles  disse que é preciso tornar a Unicamp uma universidade mais aberta e que ela tem muito a oferecer (entre outras coisas) . E para  isso estão dispostos ao diálogo para tratar das questões relacionadas ao entorno dos “campi” (nome que dão às sedes em Barão Geraldo,  Limeira e Piracicaba. Em Paulinia possuem apenas um laboratorio de pesquisa) “e vamos investir fortemente na comunicação e na aproximação com a sociedade. Para ampliar o engajamento com a sociedade” 

O  professor Mário Saad  disse que tem certeza de  que a Unicamp pode fazer mais por Barão porque tem a obrigação de devolver para à sociedade e é fundamental a devolução para a comunidade mais próxima dela.  Ele reconhece que já existe  essa relação que é muito forte  mas que “essa relação pode ser incrementada por várias  formas”  

MAIS CURSOS PARA A COMUNIDADE 

Todos  os candidatos ressaltaram os programas que já existem e que pretendem fortalecer para a comunidade de Barão – através da  Escola de Extensão  (cursos de alta qualidade , porém pagos), do projeto  UniversIDADE (para a 3ª idade), do INOVA, e outros centros  

Segundo  o professor  Mário, uma  das maneiras de incrementar a relação da  Unicamp   com Barão Geraldo é através das atividades de Extensão  e dos cursos   Mas para isso é preciso  “ouvir a comunidade” e sentir quais são as necessidades. “Pois se a universidade vem com um pacote de cursos   prontos,  isso pode não satisfazer as necessidades da população. E como a Unicamp é uma universidade  grande ela possui conhecimento profundo em várias áreas. E pode oferecer uma ampla gama de cursos que podem ser de interesse inclusive de muitas pessoas em Barão. E também difundir  mais cultura  no Distrito.”  

Professor  Mário também propôs  criar um (mais um)  cursinho comunitário nas escolas ´públicas de Barão para  ajudar  os alunos que  concluíram o ensino médio a  passarem no vestibular de universidades públicas.  Embora ele saiba que  já existem  vários  cursinhos  na Moradia , na Unicamp e  em Barão  professor Mário acha que dá pra fazer mais “Esses cursinhos preenchem as vagas muito rapidamente” e que , se eleito  vai conversar com  os alunos e ampliar bolsas para isso 

O candidato Tom Zé disse que tem a intenção de fortalecer e renovar a Escola de Extensão (Extecamp) e melhorar seu atendimento ao público “tornando-a mais dinâmica e adequando a divulgação dos cursos a cada público-alvo”. Tom Zé diz que, por ter compromisso de uma gestão “aberta ao diálogo com todos os segmentos da sociedade”, estão abertos a acolher sugestões da comunidade de Barão Geraldo em relação à demanda de cursos em torno de temas de interesse.” 

Da  mesma  forma os professores Sérgio Salles e Eliana disseram que  pretendem ampliar  as ações de Extensão com mais atividades, incluindo cursos sobre diversos temas, que possam atender  também às comunidades que vivem no entorno das sedes da Unicamp.  

Eles  dizem que pretendem criar apoio  aos centros e núcleos de pesquisa (e nos Colégios Técnicos) para desenvolverem projetos nas áreas de inovação e Empreendedorismo e outros projetos voltados à população “que promovam um diálogo e parceria dos cursos regulares com as comunidades locais. 

Em especial, Sérgio Salles  diz que tem outra proposta de implantar o Centro de Formação de Professores (Educação Infantil e Básica) voltado a promover a inovação em Educação e Formação de Professores, com programas de educação continuada e especializações, projetos de intervenção e pesquisa. “A atuação deste centro poderá ter um impacto positivo nas escolas de Barão Geraldo”. 

Os professores candidatos a vice Eliana Amaral (FCM) e Sérgio Salles (IG) a reitor

2º) MAIS LAZER NOS FINAIS DE SEMANA 

Os professores candidatos Sérgio e Eliana  pretendem estabelecer parcerias entre as instâncias de segurança e vivência do campus  com as da Cultura para promover e manter programas de atividades artísticas, culturais e esportivas nos espaços públicos de todas as sedes (além de Barão, nos campi das faculdades de Limeira e Piracicaba). “Nossa proposta é que a oferta de atividades ocorra em todos os períodos e nos finais de semana, recuperando a percepção de um campus vivo e vibrante.”   

Sergio e Eliana lembram  que a Unicamp tem também vários Museus , que promovem atividades didáticas e recreativas. “Mas pretendemos investir para ampliar a divulgação de suas atividades tanto interna como para o público externo. Barão Geraldo merece isso e a Unicamp tem condições de oferecer esses espaços, promovendo uma maior integração da universidade com a sociedade.” – disse  Salles  

O candidato Tom Zé disse que, por defender a universidade mais integrada ao seu entorno, sua candidatura com a professora Luiza pretende retomar uma agenda de eventos culturais, artísticos, esportivos para a comunidade da Unicamp mas que possam ser acessados também pela população de Barão Geraldo. Eventos como o “Música no Campus”, os passeios ciclísticos devem ser retomados e apoio aos eventos esportivos, como a “Volta da Unicamp”, apresentações circenses e da Orquestra. “É nosso compromisso revitalizar o uso da concha acústica do campus de Campinas para conferências e concertos e também estudar formas de uso mais efetivo do Ginásio Multidisciplinar, sempre considerando a legislação e suas finalidades próprias.”  

Sobre o centro cultural Casa do Lago (que é quase integrado à parte 2 da Cidade Universitária) Tom Zé diz que quer recuperar a vocação de centro transdisciplinar. “Esse espaço cultural privilegiado, hoje infelizmente subutilizado, a Casa do Lago receberá o devido apoio e atenção para assumir-se totalmente como centro transdisciplinar.” Segundo Tom Zé por sua vocação inicial, ele foi feito para intervenções artísticas da comunidade mas será também local de debate coletivo sobre tecnologia e políticas públicas e atividades acadêmicas de extensão e até de intercâmbio inclusivo com a sociedade, entre outros temas. “Um espaço aberto para que a comunidade de Barão Geraldo possa conhecer melhor as atividades e pesquisas em curso na Unicamp”.  

Além  disso, Tom  Zé propõe  ainda várias ações novas para estimular a comunicação e o lazer da população externa como: valorizar o Museu Exploratório de Ciências e o Museu de Artes Visuais, “trabalhando em parceria no sentido de buscar as melhorias demandadas”;  aprimorar as atividades que despertam a participação da comunidade acadêmica, como por exemplo a de “Ciências e Arte nas Férias”, facilitar o acesso de todos aos acervos da Unicamp, inclusive nos fins de semana e em parceria com as prefeituras realizar periodicamente nas  sedes da Unicamp de Barão, Limeira e Piracicaba), ou com empresas, eventos artísticos para o grande público  como: teatro, concertos e exposições, aproveitando eventualmente os espaços públicos da Universidade.  

Mas isso tudo, é claro, só depois de retomadas as condições de segurança, a partir da vacinação de todos e respeitando os protocolos científicos 

Já o professor Mário  Saad acha que a Unicamp deveria ajudar a difundir mais Cultura em Barão. Como por exemplo , as apresentações da  Orquestra  Sinfônica da Unicamp e ele acredita que deveria ter uma agenda de apresentações mais regular da  Orquestra não só  na Universidade como em Barão e outras partes de Campinas e   cidades da região “Mas convidando a população  a participar e assistir suas apresentações”    E implementar também  mais apresentações e cursos de música, dança e  teatro através do  Lume, do Instituto de Artes, da Casa  do Lago e outros  centros de cultura da universidade. 

Os professores candidatos a vice Márco Zezzi (IQ) e Mário Saad (FCM) a reitor

3º APOIO À PRESERVAÇÃO DE PATRIMÔNIOS HISTÓRICOS E AMBIENTAIS DE  BARÃO  

Para  os professores  Sérgio e Eliana, a preservação dos locais históricos e ambientais de Barão Geraldo não é uma atribuição da Unicamp ou uma questão que possa ser tratada pela Reitoria. Mas com a preocupação de ter uma interação mais profícua com a sociedade, envolve também a participação nesses projetos. “Talvez não como protagonistas, mas como partícipes de movimentos que colaborem com a preservação, tombamento ou manutenção de alguns desses locais enunciados.” Salles  diz  que entre professores, pesquisadores e estudantes há muitos interessados e até já engajados nessas questões,  seja como objetos de pesquisa, seja  por interesse e envolvimento pessoal.  

O envolvimento da comunidade acadêmica nessas áreas pode ser bastante enriquecedor para o ensino-aprendizagem de forma integrada com a comunidade local. Ou seja, estaremos abertos e atentos a essas questões e não nos furtaremos de nos envolver em ações que visem a colaborar com a preservação de locais históricos e ambientais, o que valoriza não só Barão Geraldo, mas a própria Unicamp. Essas ações devem ser parte do compromisso da Unicamp com a cidade.”- disse Sérgio Salles 

Por outro lado o professor  Mário Saad a  Unicamp tem know how para  ajudar muito. “Nós temos professores  no IFCH e da FEC  que são  especialistas nisso, professores de História, de Arquitetura, de Artes, do NEPAM e  por isso  acho que podemos  contribuir com  issoPorém  integrados com a Prefeitura e com a comunidade de  Barão para que isso seja feito de forma integrada.” 

O professor Mário disse que a Unicamp estará disposta a contribuir com isso “se tivermos a felicidade de  chegar à  Reitoria.” Segundo  ele, a  contribuição da Unicamp  na preservação histórica e ambiental  na região de  Campinas é uma obrigação social da universidade   

A gente quer resgatar bastante a  História de  Barão Geraldo que é uma história muito rica. Pois entendemos que a través da História de Barão Geraldo  podemos entender uma parte da história econômica do Brasil que foi muito importante para nós E entender nessa  rica historia,  como numa fazenda ter sido implantada uma universidade  que já tem, mais de 50 anos mas que tem reconhecimento internacional, e pra saber que é possível trabalhar nessa direção, desde que haja muito diálogo, compreensão e investimento em educação” –  

E no caso do patrimônio ambiental, o professor Mário lembra  do projeto HIDS (Hub  Internacional de Desenvolvimento  Sustentável )  e que tem certeza que se isso for apresentado a eles o HIDS vai incorporar a seus objetivos “Porque desenvolvimento sustentável é tudo o que queremos e é uma meta internacional determinada e capitaneada pela ONU” 

Da mesma forma pensa o professor Tom Zé que diz que um dos compromissos de sua campanha é fortalecer as parcerias e a comunicação com os diversos segmentos da sociedade e que para ele são: o poder público, a mídia,  o empresariado, as sociedades científicas, os movimentos sociais, o setor educacional, os órgãos de saúde e organismos internacionais.  

Nessas  parcerias de diversas demandas serão incluídas as relacionadas à preservação do patrimônio histórico e ambiental. “Considerando as expertises da Unicamp, tanto na área de Humanidades e Artes, como nos temas relacionados à sustentabilidade, apoiaremos a construção de parcerias e projetos de pesquisa que busquem preservar o patrimônio histórico e ambiental do Distrito de Barão Geraldo”. 

O professor Mário Saad – médico e ex diretor da FCM

   CONSTRUÇÃO DE UMA U.P.A. 24 H  (Unidade de Pronto Atendimento)  

Sobre a proposta de moradores de Barão para que a Unicamp construísse uma UPA” – uma espécie de posto de saúde e pronto socorro que funcionasse 24 horas em  Barão Geraldo – os  candidatos   Sergio Salles e Eliana e   Tom Zé  e Luiza concordam que não é uma prioridade nem papel da Unicamp construir mais  uma unidade de Saúde.  

Segundo Tom Zé A área da saúde da Unicamp é responsável por um denso e complexo conjunto de atividades nas frentes de ensino, pesquisa, extensão e assistência. E além delas  há os órgãos – também citados pelos professores Salles e Eliana – que a  Unicamp  já oferece  – como o HC Hospital de Clínicas – o CAISM (Hospital da Mulher), também o Hemocentro,  o Gastrocentro  (Centro de Diagnóstico de Doenças do Aparelho Digestivo) e o CEPRE (Centro de Estudos e Pesquisas em Reabilitação “Prof. Dr. Gabriel Porto  que,  como disseram,  funcionam em rede E por serem unidades de referência são responsáveis por cerca de 1/3 do orçamento da universidade. Além de formar centenas de médicos e profissionais de saúde anualmente. Além disso eles propõem estabelecer convênios com municípios para ampliar atuação de jovens  médicos pelo SUS e Residência .  

Já o professor e médico  Mário Saad concorda com a reivindicação e disse que pretende acertar uma integração com o atual secretário municipal de Saúde, dr Lair Zambon, também professor da FCM como ele, para a construção de um novo posto de saúde em Barão coordenado e integrado com Unicamp . “Podemos levar essa  reivindicação ao  Secretário de Saúde . Pois shouver  uma UPA ou novo posto de saúde em Barão a Unicamp assume todos os recursos humanos com muito prazer.  Nós temos pessoal preparado para assumir isso E acho que isso desafogaria nosso Pronto Socorro, trazendo benefícios para Barão e  para a universidade. E  com a  aquisição da Fazenda Argentina ela possui espaço para  instalar unidades  e  ações coletivas que fazem parte da atividade da universidade.” 

O candidato Dr Saad ressalta porém que  tais projetos são idéias boas porém  todas precisam  ser apresentadas  com  todos os  dados, levantamento  de custos e recursos, responsabilidades,   etc ao Conselho Universitário para ser aprovado. 

O professor Sérgio Salles do IG Instituto de Geociências

5º  CONSTRUÇÃO DE UMA CLÍNICA / HOSPITAL VETERINÁRIA  

Sobre a proposta de baronenses para a  Unicamp  construir uma  Clínica ou hospital veterinário todos  os professores  candidatos foram  unânimes: Não  é possivel a construção porque a Unicamp  não tem curso de Veterinária pois para que houvesse esse curso com pesquisas especializadas nesse campo, seria necessário um hospital “modelo” : “Nesse sentido fica difícil oferecermos alguma estrutura para colaborar com essa demanda”.  – disseram os professores  Sérgio Salles e Eliana 

O professor  Tom Zé disse que seria necessário primeiro conversarmos com grupos da universidade, conhecer experiências acadêmicas internas na área da  Biologia e analisar nossas condições e potencial institucional para a criação de um hospital ou clínica veterinária.  E isso leva algum tempo que talvez não seja possível nessa gestão. 

Também o professor Mário Saad disse  que a falta de um curso de Veterinária impossibilita um  hospital no momento mas que a Unicamp pode pensar e projetar um futuro curso “A Unicamp precisa ampliar vagas Nos estamos sentindo a necessidade de que num  futuro próximo termos um  curso de Veterinária que precisa de um hospital junto.  Mas não podemos prometer nada no momento porque estamos com  dificuldades financeiras e o pais está atravessando uma crise.  Mas quero crer que  isso vai mudar logo” 

O professor da FEA Tom Zé

6º BIBLIOTECA CENTRAL 24H  E FINAIS DE SEMANA  

O professor  Mário  diz que sonha com uma universidade que tenha uma biblioteca aberta  nos finais de semana ou 24horas. “Isso não é fácil  , ainda estamos com dificuldades mas com ela  passaríamos uma mensagem importante para a comunidade de que o estudo é importanteé complexo, dá trabalho mas vale a pena. As vezes precisamos virar uma noite ou começar cedo e nenhum lugar é melhor para o estudo que as bibliotecas. E até manter as outras bibliotecas  abertas. Se for uma reivindicação da população, vamos fazer isso com o maior prazer.” 

Já o  professor Tom Zé   disse  que ele e a professora  Luiza estão comprometidos com o aprimoramento e melhoria do SBU (Sistema de Bibliotecas da Unicamp) , atentando continuamente às necessidades de infraestrutura e de pessoal. Mas que não tem planos sobre a abertura da Biblioteca Central por 24 horas. Porém disse “estamos abertos a discutir novos formatos de funcionamento que possam atender a comunidade de Barão Geraldo”. 

Os  professores Sergio  e Eliana  disseram que pra abrir a BC 24h e nos finais de semana depende do estabelecimento de parcerias entre as instâncias de segurança e vivência do campus. “E isso  também implicaria em contratações, o que está em nosso plano, mas que depende de decisões que não estão ao alcance de uma reitoria, como por exemplo a Lei Federal 173, em vigor, que proíbe que órgãos do serviço público façam gastos extras, o que inclui contratar ou dar progressão aos servidores públicos.”   Segundo  Sérgio Salles qualquer medida que vise gastos de recursos públicos, terá que atender uma “ordem de priorização”, que não será determinada pela reitoria, mas pelo conjunto de órgãos responsáveis pelas decisões na Universidade.  (Supomos que seja o CONSU , Conselho  Universitário, que é capitaneado pelo Reitor) 

Os professores candidatos Sérgio Salles (IG) e Eliana Amaral (FCM)

REFORMAS NA MORADIA ESTUDANTIL

Sobre a Moradia Estudantil da Unicamp (que fica na Vila Santa Isabel) todos os candidatos disseram ser impossível construir outra moradia (o que vários movimentos de estudantes vem solicitando e chamando de “ampliação” ha anos ( e chegou a ser prometido em 2016) pelo reitor anterior) ou ampliar vagas dentro do terreno da própria Moradia por limitações orçamentárias

Porém todos os candidatos prometeram reformar a moradia em todas as casas que estão com problemas proibidas de uso, problemas de infraestrutura, goteiras, problemas de eletricidade etc e priorizaram mais esforços e melhorias de atividades no campo cultural

O candidato professor Tom Zé falou num “novo esforço e entendimento com o DCE (Diretorio Central dos Estudantes) e outros grupos ” na direção de possiveis melhorias e ampliações” prometeu as reformas necessárias mas não prometeu a construção de mais vagas . Segundo Tom Zé , caso eleito a Reitoria manterá uma “relação de parceria serena e respeitosa com as entidades estudantis“, nos mais variados assuntos de interesse comum, dentre os quais a permanência merece prioridade. “É nosso compromisso garantir um contínuo processo de melhoria da qualidade da moradia estudantil, cuidando das reformas prediais ou ambientais necessárias e envidando todos os esforços de ampliação. ” – disse Tom Zé

 Já os professores Sergio Salles e Eliana dizem que é necessário um programa sistemático de manutenção e também uma revisão estrutural, com recursos humanos e financeiros garantidos. garantia de mais trabalhadores na moradia e melhoria de contratos de manutenção. E prometem mais bolsas de auxílio aluguel  “quanto maior a demanda, maior deve ser a oferta.”  

Mas Salles e Eliana querem desenvolver na Moradia produções culturais : com um programa que “valorize uma dinâmica intelectual, de rico aprendizado e iniciativas culturais, como mostras de arte, exibições de filmes, debates, entre outros. “A moradia precisa ser um ambiente acolhedor. Cada vez temos mais famílias e crianças na moradia e precisamos garantir sua segurança no sentido amplo.” 

Propomos e vamos fazer política integrada que vai do acesso, à permanência, trajetória acadêmica e inserção profissional. É esse conjunto de coisas que faz a permanência no sentido amplo: transporte, alimentação, apoio psicológico, bolsas, moradia e os ambientes acadêmicos. Se olharmos para estes pontos isolados não se dá a devida atenção que o estudante precisa.” – disse Salles  

O professor Mário Saad também defende que a prioridade é realizar a reforma da Moradia, melhorar a qualidade da internet, ampliar mais bolsas de auxilio aluguel juntamente com outras bolsas de pesquisa ou trabalho para garantir moradia digna para todos . Mas o professor Mário vaí além e defende a construção de um Polo cultural e comercial na moradia para criar maior integração com a Unicamp e oferecer serviços gerais como cantinas, lojas de produtos alimenticios, de papelaria, xerox , informatica etc e que garanta uma integração da Moradia com Barão Geraldo Também incentivar os residentes à práticas culturais e esportivas oferecidas no campus E também a realização de projetos de extensão em articulação com a Moradia

HAVERÁ RETORNO PRESENCIAL SÓ EM 2022 OU AINDA ESTE ANO?  

Por fim perguntamos aos tres principais  candidatos a  Reitor   qual a perspectiva ou prognóstico eles tem para o retorno dos alunos, funcionarios e professores ao Campus este ano ou nem em 2022 

  O professor candidato Sergio Salles, falando também em nome de sua vice, Eliana, disse que, se eleitos, irão criar um “Comitê de Acompanhamento Pós-Pandemia” logo no primeiro momento de assumirem, para analisar as perdas no ensino, na pesquisa, na extensão e nas questões administrativas, para poderem agir imediatamente, incluindo oferecer assistência psicológica e orientações sobre como fazer o retorno presencial gradativo “quando for seguro”. E disse: 

O Comitê de Acompanhamento Pós-Pandemia também deverá propor e implementar ajustes na educação infantil e complementar, ensino médio, graduação e pós-graduação, com foco em defasagem de aprendizado, extensão do tempo de integralização, represamento de demanda por disciplinas, e que considere necessidades específicas dos estudantes (mães, pessoas com deficiências, indígenas, estrangeiros etc.) e docentes.” 

Também  o professor   Mário  Saad  diz que  primeiro  tem que esperar  passar esse momento  grave atual que ele espera que irá haver um declínio – inclusive com maior vacinação –  a partir dos próximos meses. E aí o que a Unicamp  precisa  fazer é uma programação   pra sair de uma maneira científica para os   estudantes poderem  voltar. Ele concorda que a partir de agora e no futuro o ensino  será híbrido  (isto é:  parte por internet e parte  presencialmente)  mas diz que é fundamental a  presença  dos  alunos nas aulas e nos “campi” “Achamos que a formação   presencial é muito importante e  que não pode ser negada a nossos alunos.  Não tenho  dúvida que o  formato  presencial continuará predominante. Mas  também haverá uma parte  híbrida  que os alunos  possam assistir uma ou outra  aula  

Mas essa população vai continuar morando  e fazendo parte de  Barão Geraldo, E nós queremos integrar essa população  cada vez mais a Barão   E pra isso temos que oferecer melhores condições  

Para um estudante  que tem um leptop ou  máquina boa e uma casa confortável o ensino  à distância não faz muita diferença. Mas para o estudante mais pobre que, com frequência  não tem um leptop ou máquina boa pra acompanhar e depende de um aprendizado  “in loco”, o fato de não ter  ensino  presencial prejudica demais. Então saindo dessa fase aguda, desse  segundo pico, vamos buscar um retorno gradual com muita segurança e muito exame e de preferencia  vacinar todos logo. Esperamos que as vacinas cheguem logo para vacinarmos  todos  nossos  alunos e professores e retomar as atividades. E espero que até o 2º semestre isso aconteça de maneira integral” 

Já  o candidato professor Tom Zé defende  que  a administração da universidade continue acompanhando continuamente a dinâmica epidemiológica local, regional e nacional e além desta constante análise é  necessário manter uma comunicação efetiva com toda a comunidade (alunos, funcionários e professores, “em vista de tomadas de decisões praticamente em tempo real”. Porque , segundo  ele, a imprevisibilidade e as incertezas requerem ação organizada, coordenada “e com uma representatividade chancelada pelo espírito de diálogo”, sem perder de vista a qualidade das atividades fins da Unicamp. 

Embora  concorde  que  o “ensino remoto”  (isto é, somente via internet) trazem muitos prejuízos ao ensino. Porém, na situação epidemiológica atual, Tom Zé  disse que o uso de atividades de ensino remotas apresenta-se como a melhor alternativa possível e com melhor custo benefício, apesar dos inerentes prejuízos e limitações.  

Mas ele lembrou que é evidente que nem todas as atividades podem ser remotas. “Existem disciplinas e pesquisas eminentemente práticas, ou que usam equipamentos e insumos que não podem ser substituídos por uma demonstração em vídeo ou uma simulação computacional.” Afinal o desenvolvimento de certas habilidades e atitudes profissionais requer a atuação em cenários de prática com tutoria. “Nestes casos, deve-se adotar um modelo híbrido, que combine as atividades remotas às atividades presenciais de forma segura, garantindo distanciamento e um rodízio entre os alunos, docentes e pesquisadores para evitar aglomerações.”  

Além disso, o professor  Tom Zé disse que tais  soluções devem levar em conta as realidades dos alunos que podem ter dificuldades de deslocamento (por exemplo por meio de arranjos temporários de moradia). O enfrentamento da pandemia passa também por uma comunicação efetiva, garantindo a participação da comunidade na prevenção, na utilização dos serviços de saúde e dos recursos disponíveis como membros também de uma comunidade globalizada. 

os professores Eliana e Sérgio com seu programa de gestão

O QUE  A UNICAMP JÁ OFERECE À  COMUNIDADE?  

CURSOS  

Há  várias unidades  que oferecem cursos  para a comunidade  externa  hoje facilitadas pela forma online  como:  

  • ESCOLA DE EXTENSÃO  (com cursos caríssimos, porém de  boa e ótima qualidade direcionados principalmente para profissionais –  e  pouco interessantes para a comunidade  em geral na maioria (Não todos. É claro) É possivel encontrar cursos gratuitos. 
  • Programa  UNIVERSI –IDADE   É um programa de centenas de cursos   GRATUITOS  para a população  acima dos 60 anos   que  –  embora não profissionais ou voltados para o mercado  – são cursos de ótima qualidade  voltados para o  lazer, o  melhor  viver principalmente nessa idade  
  • INOVA – UNICAMP  
  • MUSEU DE CIÊNCIAS  
  • CASA  DO LAGO 
  • FACULDADES  E INSTITUTOS  
  • CURSOS DE  LÍNGUAS   
  • CURSINHOS  PRÉ VESTIBULARES  

2 ) LAZER:  

  • FACULDADE DE  EDUCAÇÃO FÍSICA  (FEF):   aos  finais de semana geralmente a Faculdade  fica aberta  para utilização de  suas quadras e  campos  pela comunidade  em geral  
  •  
  • CASA  DO LAGO:    a Casa do  Lago é um Centro cultural localizado junto  ao Parque  Ecológico e  LAGOA  DA CIDADE UNIVERSITÁRIA com exposições, shows, cinema, debates , palestras  e cursos  abertos à comunidade  externa em Geral   – mais diretamente à parte 2 da Cidade Universitaria  devido à  passagem entre as lagoas. Tem amplo estacionamento e divulgação  
  • Projetos como “MUSICA NO CAMPUS” , “Aluno ARtista” 
  • MUSEU EXPLORATÓRIO DE CIÊNCIAS   que  tem diversos   programas de exposição, oficinas e  cursos de divulgação de  Ciêncais com muita arte  voltados mais para  crianças e adolescentes, e escolas públicas e particulares,  porém para todas as idades. Inclusive nos finais de semana.  ATualmente   tais oficinas  e cursos estão sendo on line  
  •  
  • ORQUESTRA DA   UNICAMP :   
  • CORAIS : A Unicamp possui vários corais como o  Coral da Unicamp, o coral Ziper na Boca e  outros coordenados pela  professora  ANa  Savagni e é possivel participar deles 
  • GAIA  –  Galeria de  Artes  do Instituto de Artes  fica no prédio da Biblioteca Central e  promove dezenas de exposições ao longo do ano   ATualmente só com com  a Galeria Virtual  (on line)  
  • ESTACIONAMENTO DO BC  – Um dos locais de lazer com extenso asfalto , aberto nos finais de semana  para uso de bicicleta,  
  • FEIRINHAS :      A Unicamp possui duas  feirinhas Uma na praça do Ciclo Básico e outra junto ao  HC – Hospital de  Clinicas. Atualmente com a pandemia elas estão suspensas   
  • PRAÇAS (do Ciclo Básico e da   Praça da  Paz,  
  •  

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s