Arte&Cultura

Associação do Terras do Barão fala sobre o “Cinturão de Segurança”

Pela Associação Terras do Barão, na figura de seu advogado Gilberto Andrade

Inicialmente consignamos que a Associação Terras do Barão reconhece a importância do Jornal de Barão, pelos relevantes serviços prestados a sociedade local, e por conta disso, fica a disposição para colaborar no que for possível, obviamente respeitando limitações.

Sabemos que acontecimentos sempre se desdobram em várias histórias, pois, não existe apenas uma compreensão sobre o que acontece no mundo à nossa volta.

Sabemos também, que uma notícia pode ou não distorcer fatos, aliás, muitos defendem a idéia de que o compromisso com a diversidade e o equilíbrio dos pontos de vista é algo difícil de lidar e percebemos que o Jornal de barão, faz isso com maestria e por isso, ficam aqui nossos agradecimentos.

Feitas as considerações acima, passamos a discorrer acerca da polêmica que se formou acerca do projeto CIS (Cinturão de Segurança) que tem como base legal a lei complementar nº 208, de 20 de dezembro de 2018.

Note-se, a Associação Terras do Barao não seria irresponsável de fazer ou deixar de fazer algo senão em virtude da lei, e não agiria ou agirá diferente no caso do “CIS” (cinturão de segurança), onde envolvem interesses difusos e coletivos.

Diferente do que vem sendo publicado, não há de se falar em restrições de direitos, aliás, o Centro Cultural Casarão, como é sabido, é o único espaço público destinado à cultura no distrito de Barão Geraldo e portanto, de vital importância para região, e a Associação se orgulha disso, pois referido espaço Cultural localiza-se dentro do “Terras do Barão”.

A bem da verdade, o que se busca é melhorar a segurança dos moradores e de todos que lá frequentam, o que não significa privação de direitos e liberdades.

Cumpre-nos aqui lembrar, que alguns bairros clássicos da cidade de Campinas, inclusive que detém área de preservação ambiental e tem acesso controlado, deram muito certo, mesmo à época não havendo Lei específica, logo, a “lei do CIS” veio brilhantemente regular o que já acontecia de fato.

Esta se fazendo tudo de acordo com o bom senso e dentro da legalidade, inclusive por todas as etapas árduas que passaram, não tiveram nenhuma oposição, sendo assim, agora se faz necessário materializar o projeto para aprovação final da municipalidade de acordo com suas diretrizes.

A Associação Terras do Barão sempre primou pela lealdade e transparência de informações, e assim continuará agindo, prova disso é que ficam a total disposição para quaisquer esclarecimentos acerca do assunto.

Por fim, a Associação Terras do Barão, por meio de seus representantes, entende que, a lei complementar nº 208, de 20 de dezembro de 2018, foi aprovada para regular direitos e não para coroar injustiças, e reitera, que não pactua com segregações sociais de qualquer natureza, ao contrário, as combate.

sede da Associação Terras de Barão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s